quinta-feira, 30 de junho de 2011

Paris a.C (antes da Claudia) e d.C (depois da Claudia)

Cheguei em Paris esta manhã, após ter dormido cerca de 1h30 entre a volta do show da Liza Minnelli e o horário de acordar para ir para o aeroporto de Gatwick (2h da matina). Mesmo acabada, cheguei com tudo na "cidade luz".
Aos que pretendem vir para Paris pela primeira vez, há duas opções: se não conhecerem a Claudia Gottschalk - ex-moradora e profunda conhecedora do pedaço-, rezem para ter um bom guia e/ou amigo /e ou parente que sirva de luz no fim do túnel. Mas se forem amigos Clau, nao precisarão contar com a sorte. Podem ficar tranquilos, estarão a salvo.
Dentre todas as dicas que ela me deu, a que fez toda a diferença nessa minha imersão em Paris - e olha que hoje foi só o primeiro dia, hein -, são os walking tours. Nem bem pus os pés em solo parisiense e já fiz três deles: River Tour, Notre Dame and The Heart of Paris e Latin Quarter Tour.



Adorei a proposta do www.discoverwalks.com de atuar com guias parisienses que na verdade são estudantes universitários (meus dois guias do dia estudaram na Sorbonne, por exemplo). Além disso, os tours são gratuitos, com gorjetas opcionais no final do percurso (eu contribui super satisfeita com a qualidade dos serviços prestados).
Passamos pelos tradicionais pontos turísticos, claro, mas conhecemos lugares e aprendemos histórias que só os franceses poderiam nos contar. Ah! Aviso importante: apesar dos guias serem nascidos e criados em Paris, todos os tours são em inglê
s.
Clau, je vous remercie beaucoup pour votre aide pour mon voyage. Paris ne serait pas la même chose pour moi sans vous.

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Liza Minnelli, eu e a teoria dos seis graus de separação

A teoria dos seis graus de separação originou-se a partir de um estudo científico, que diz serem necessários no máximo seis laços de amizade para que duas pessoas quaisquer, nesse mundão de meu Deus, estejam ligadas.
Entre a Liza Minnelli e eu só existe uma pessoa: meu pai. É que em 1989 ele tocou com ela em São Paulo (o Wilson Curia não é fraco não). Então já posso considerá-lo parte da vida dela, certo? Sendo assim, como perder a chance de prestigiar o show da Liza, integrante do seleto grupo de artistas ganhadores do Emmy, Grammy, Tony e Oscar?
Door 4, Circle R, Row 5, Seat 58. Após seguir estas orientações ocupei meu lugar no Royal Albert Hall. E fui testemunha do carisma e talento dessa mulher, ovacionada de pé em vários momentos (e olha que inglês é contido, hein). Então com vocês, Liza Minnelli, botando abaixo o Albert Hall com a insuperável New York, New York.


video

Uma imagem vale mais do que mil palavras

terça-feira, 28 de junho de 2011

Espelho, espelho meu

"Espelho, espelho meu, existe alguém mais belo do que eu?" pergunta a atriz, produtora e ex-modelo Sul-africana Charlize Theron, deslumbrante neste anúncio da Dior.

E após ter "dado uma geral" no deus grego da propaganda do perfume Allure, o espelho responde: "Me desculpe Charlize, mas terei que desapontá-la."

segunda-feira, 27 de junho de 2011

1001 Maravilhas Para Comer Antes De Morrer

E seguindo a tendência editorial mundial de títulos como "1001 Livros Para Ler Antes de Morrer" ou "1001 Filmes Para Ver Antes de Morrer", lanço "1001 Maravilhas Para Comer Antes de Morrer". E minha 1ª dica é o que aparentemente seriam simples fatias de pão italiano com manteiga, acompanhadas por uma xícara de chocolate quente pequeno.
Mas como estou falando de Le Pain Quotidien (www.lepainquotidien.com) - cadeia internacional especializada em produtos de padaria, fundada em 1990 na cidade de Bruxelas -, a estória e o sabor são incomparavelmente outros. Esqueçam todos os pães que já comeram nessa e nas demais encarnações.
Seus quiches, saladas, sopas, bolos e sobremesas podem ser encontrados atualmente em 19 países, dentre eles: Bélgica (of course), Holanda, Grã-Bretanha, França, Índia, Alemanha, Turquia e Estados Unidos. E de acordo com minhas pesquisas, Le Pain Quotidien invadirá o Brasil em 2012. Ai eu poderei morrer feliz.

domingo, 26 de junho de 2011

A cura para VPPB



video

A Vertigem Posicional Paroxística Benigna (VPPB) é causada por problemas no ouvido interno. Seus sintomas são episódios repetidos de vertigem posicional, ou seja, uma sensação rotatória causada por mudanças de posição da cabeça.
Graças ao Dr. Gustavo Polacow Korn - otorrinolaringologista que eu recomendo a todo mundo - descobri que tenho VPPB. E por conta da sequência de exercícios para habituação do sistema vestibular orientados por ele e pela Dra. Vanessa Tuma - fonoaudióloga extremamente atenciosa -, minha vida mudou.
Mas foi no Hyde Park que eu descobri a cura definitiva para esta condição benigna: basta se sentar confortavelmente à sombra de uma árvora, durante uma maravilhosa tarde de sol e observar por cerca de 20 segundos um dos vários patinadores dando um show em meio aos micro cones. Não há VPPB que resista à tantas manobras como as deles.

Bon (e velho) Jovi no Hyde Park

E de volta a Londres, passei o sabadão só "jiboiando" (expressão by Sandra Curia) em frente à TV, assistindo as partidas de tênis de Wimbledon e atualizando o blog.

Como nesta época do ano anoitece de fato lá pelas 22h30, por volta das 21h resolvi das uma volta a pé para aproveitar o final desse "dia delícia".

Depois de muito caminhar, lá estava eu no querido, amado e idolatrado Hyde Park. E eis que ouço os primeiros acordes de Wanted Dead or Alive, do Bon Jovi.

Segui o som da galera fazendo coro para a banda e cheguei no mesmo local aonde assisti Paul McCartney ano passado. Descobri que era mais uma edição do Hard Rock Calling.

Peguei o final do show, mas de qualquer forma pude sentir o clima de "Paz e Amor" acompanhado de perto pela polícia metropolitana, além da empolgação da turminha que ficou do lado de fora da festa, mas que mesmo assim se divertiu muito.

Moral dessa estória: devemos sempre sair sem rumo e de coração aberto para o novo (parte desse ensinamento é de autoria da guru Claudia Gottschalk), mas nunca sem uma máquina fotográfica (essa segunda parte é uma dica minha mesmo).

sábado, 25 de junho de 2011

Peculiaridades tchecas

Eis um novo meio de transporte para alguns turistas que querem literalmente circular por Praga. Mas antes de se aventurarem pela cidade, recebem um treinamento para não causarem danos a eles próprios e principalmente aos demais seres humanos que por ventura cruzarem seus caminhos.

E com vocês, The Dancing House, construído em um terreno baldio onde o edifício anterior havia sido destruído durante o Bombardeio de Praga, em 1945. O novo prédio foi projetado em 1992 e concluído em 1996. Guaranto que nunca se viu nada igual.

E é assim, caros leitores brasileiros do blog, que o Brasil é divulgado pelas bandas da República Tcheca. O país que tem a maior biodiversidade de flora e fauna do planeta tem apenas três destinos engrandecidos: Fortaleza, Rio de Janeiro e Foz do Iguaçú. Brasília, Salvador e Manaus constam no mapa acima só de enfeite. Infelizmente os tchecos não sabem o que estão perdendo.

Quantas pessoas no mundo podem dizer que já viram uma boneca inflável sendo fotografada numa rua de Praga? Eu posso. Mas, sinceramente, não tive curiosidade nenhuma de entender o contexto, só registrei o momento para posteridade mesmo.

La Bodeguita Del Medio em Praga? Não tentem me enganar, pois a original fica em Havana, e dentre sua clientela destacava-se o escritor norte-americano Ernest Hemingway. Será que a filial tcheca já recebeu Franz Kafka, um dos maiores escritores de ficção da língua alemã do século XX?

Lá vem a noiva, o noivo, as pétalas de rosas e amigos e/ou parentes para desejar tudo de bom ao jovem casal que se casou numa 6ª feira, por volta das 10h. A diferença entre este casório e os realizados no Brasil? Em Praga o fotógrafo oficial orienta as poses cinematográficas em tcheco, oras bolas.

Josefov, o bairro judeu de Praga

Escolhi esta triste imagem do Old Jewish Cemetery para representar as atrocidades cometidas contra o povo judeu ao longo da história em vários cantos do globo, incluindo Praga. Aqui, sem espaço para enterrar seus cerca de 12.000 mortos, os judeus se viram obrigados a sobrepor lápides umas às outras, entre os anos de 1439 e 1787.
O Jewish Quarter surgiu no século 13, e é provavelmente o conjunto de prédios e monumentos judaicos mais bem conservados da Europa. Ainda que invadida pelos nazistas, a República Tcheca não teve uma participação tão pontual como Alemanha, Polônia ou Hungria na guerra, o que ajuda a entender sua preservação.
Além do cemitério, eu visitei as quatro sinagogas que compõem o Museu Judaico. E chorei ao ver os nomes dos 77.297 judeus mortos na Boêmia e na Morávia descritos nas paredes de um memorial. Um exemplo concreto de barbárie humana.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A Torre, o Menino Jesus de Praga e minha mãe

Durante meu último dia em Praga resolvi conhecer a réplica tcheca da Torre Eiffel. A "Torre de Observação de Petrin" (monumento em questão) tem 60 metros de altura e foi construída em 1891 para a Exposição do Jubileu. A plataforma do topo - mais uma oportunidade de se ter uma bela vista da cidade -, pode ser alcançada pela subida de 299 degraus (nãããããoooo) ou via elevador (siiiimmmm).
E no meio do meu caminho para a Torre não tinha uma pedra, mas uma igreja: Church of Our Lady Victorious (para bom entendedor é melhor escrever seu nome em inglês do que em tcheco). Construída em 1611, é famosa pela estátua do Menino Jesus de Praga, doada em 1623.

E ai lembrei da minha mãe e fiquei com "siricutico" para ver de perto esta imagem, que tem 47 cm de altura e é feita de cera, com um núcleo de madeira. Seus devotos têm ofertado muitos vestidos ricamente bordados, que são trocados frequentemente. A fama de produtor de milagres do Menino Jesus de Praga vem desde quando ele pertencia à uma família espanhola, e os prodígios que opera continuam se multiplicando até hoje.
Como eu queria que minha mãe estivesse ali comigo. Mas infelizmente Dª Lucy estava a muitos quilômetros de distância, então o jeito foi fotografar a estátua e comprar três pequenas velas com a imagem do Menino - com cores de mantos diferentes para variar o visual -, que serão entregues com todo carinho à ela, que merece isso e muito, muito mais.

O bolo, o barco e meu pai

Parei num café a céu aberto e após ter colocado minha sutil garrafa de 1,5 de água na mesa - para deixar bem claro ao garçom que eu não iria pedir bebida nenhuma - , pedi um bolo (não me perguntem o nome, escolhi pela foto no cardápio e, sem querer, acabei me dando muito bem).
E durante meu processo de admiração da paisagem, eis que me deparo com um tal de Jazz Boat (www.jazzboat.cz). Mas afinal de contas, o que é isso?

Músicos tchecos se apresentam durante duas horas e meia enquanto os passageiros jantam e o barco cruza o centro histórico de Praga.
Agora me diz se não era para o meu querido pai, super jazzista que é, participar de uma experiência como essa. Seu Wilson, venha já para Praga!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Feirão de Mozart, Vivaldi, Bach e muito mais



















É impressionante como se investe em cultura em Praga. Aqui estão apenas alguns exemplos dos milhares de anúncios de exposições, concertos, shows e peças de teatro espalhados pela cidade. É praticamente um feirão de artes. Só falta o feirante gritando: "Olha o concerto do Mozart, do Vivaldi e do Bach. Moça bonita não paga! Mas também não assiste as apresentações."

Que show de cidade

Fiquei três dias em Praga (de 22 a 24/06). Cheguei sem lenço, com documento e sem grana, já que o processo de transferência de dinheiro para meu Visa Travel Money demorou um pouco mais do que o previsto (ainda bem que existem os cartões de crédito para nos salvar nestas horas).

De cara peguei ônibus e metrô em tcheco. Mas não é justo me vangloriar por essa façanha, já que fui orientada a apanhar o "busão" 119, e quanto ao metrô, suas poucas linhas facilitam bastante a vida de todo mundo. Adicione a esta receita um ótimo mapa e pronto! Não tem como errar.

Durante o período inicial de reconhecimento de Praga, descobri vários concertos musicais. A cidade oferece uma gama super ampla de opções para todos os gostos e nos locais mais inusitados. Imaginem só se eu, sendo filha do Wilson Curia, perderia a oportunidade de prestigiar boa música.

Então na minha 1ª noite, assisti a um concerto de música clássica nas escadarias do hall de entrada do National Museum. E na noite seguinte, me arrepiei com a homenagem a Gershwin - um dos meus compositores favoritos -, na deslumbrante Spanish Sinagogue. Uau!

Praga é do ca...ramba































Praga, me desculpe pelo fato das fotos não fazerem jus à tua beleza.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Especial sobre Lisboa

Cá estou eu, a escrever sobre Lisboa, que mais parece uma cidade do interior, com suas ruas estreitas, casas antigas e seus prédios com azulejos. A familiaridade com o Brasil pode ser vista a olho nú por todos os cantos.

Como prova a deslumbrante vista da janela da sala do Icky, Lisboa é banhada pelo rio Tejo - que mais parece um mar. E quanto às diversas áreas da cidade (Chiado, Rossio, Baixa, Alfama e Belém) nos remetem predominantemente ao Pelourinho (Salvador) e Santa Teresa (Rio de Janeiro) - tanto no que se refere as dores como as delícias dessas regiões.

O Castelo de São Jorge - uma das principais atrações da cidade -, foi construído na época dos visigodos, e fica no morro mais alto da cidade. Agora faço um apelo a você: invista seus Euros para ter acesso a uma inesquecível vista. Tenho certeza de que não irá se arrepender.

Graças a Deus se come bem por aqui. Aliás, muito bem. De uns tempos para cá tenho percebido que meu paladar está mudando, já que estou apreciando vários tipos de queijos e também frutos do mar. Em outras palavras: me dei bem em Portugal.

Aos fãs de bondinhos, preparem seus bolsos: uma viagem custa 2,50 Euros, ok? Mas uma vez na vida eu deixo, pode dar uma voltinha, vai. E quanto aos monumentos, por mais bonitos que sejam, geralmente não me emocionam. Mas o gigantesco "Padrão dos Descobrimentos" (abaixo) é diferente. Feito em 1960 para homenagear os homens que desbravaram os caminhos do mar, "vai para o trono" sem dúvida nenhuma.